Deputados criticam tentativa de desovar testes de covid 'encalhados' no Haiti

Brasília, terça-feira, 9 de fevereiro de 2021 - 16:7

SAÚDE

Deputados criticam tentativa de desovar testes de covid 'encalhados' no Haiti


Por: Da Redação

Ministério da Saúde negocia a entrega ao país de 1 milhão de exames do tipo RT-PCR com validade duvidosa como ajuda humanitária.

Reprodução da internet

O governo Bolsonaro, por meio do Ministério da Saúde, deseja doar 1 milhão de testes para detectar a Covid-19 como ajuda humanitária para o Haiti. Estes testes fazem parte do estoque que está em um armazém próximo ao aeroporto de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, com vencimento previsto para abril.

A quantidade de testes é maior do que o governo federal entregou a 24 das 27 unidades da federação do Brasil. Somente São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná receberam volume superior.

Com praticamente o dobro da população do Haiti, Minas Gerais só recebeu 747 mil exames por exemplo. Já o Rio Grande do Sul, que tem população similar à do país caribenho (cerca de 11 milhões de habitantes), ficou com 571 mil testes.

Segundo o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), a proposta do governo é uma "lástima". "O genocida sonegou ao povo brasileiro os testes que poderiam ter evitado milhares de mortes e agora, prestes a vencerem, quer mandar o entulho para vizinhos pobres", observou em postagem nas redes sociais. Tratada como ato humanitário em documentos oficiais, a doação joga sobre o Haiti a responsabilidade de usar o produto com validade curta.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) também criticou a gestão do ministro Eduardo Pazuello no combate à pandemia. "Pelo visto Pazuello, ministro da Saúde e especialista em logística, não entende nada nem de logística nem de saúde...", escreveu no Twitter.

"ABSURDO!!! Min. Pazuello, 'especialista em logística', está deixando milhões de testes de Covid-19 VENCER. Sem testar nossa população agora quer empurrar/descartar para o Haiti e hospitais filantrópicos!!!", pontuou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Validade

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, os testes em questão fazem parte do estoque de 7,1 milhões de exames do tipo RT-PCR que foram comprados por intermédio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), por um valor de R$ 42 por unidade. Inicialmente, a validade dos testes era de oito meses, variando entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021.

Mas após estudos da fabricante coreana Seegene, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estendeu este prazo por mais quatro meses, tendo abril como data limite para uso dos testes. 

Além do país caribenho, hospitais filantrópicos e Santas Casas de Misericórdia receberam ofertas do governo para absorver os testes encalhados.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com