Congresso aprova pior orçamento da história

Brasília, sexta-feira, 14 de julho de 2017 - 12:18

LDO

Congresso aprova pior orçamento da história


Por: Da Redação

A Nova Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do País foi aprovada pelo Plenário do Congresso Nacional nesta quinta-feira (13). Esta é a primeira LDO que entra em vigência após a sanção da PEC do Teto, que restringe investimentos em diversas áreas sociais.

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Texto aprovado restringe investimentos

Deputados e senadores acolheram o relatório da Comissão Mista de Orçamento. O parecer aprovado proíbe a concessão de reajustes salariais posteriores ao término do mandato presidencial e restringe as admissões de novos servidores públicos.

Está autorizada, apenas, a convocação de pessoal para a Câmara dos Deputados, o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT). Trata-se, entretanto, de medida simbólica, já que as três instituições estão com gastos acima do teto e não possuem margem para convocação.

De acordo com a líder do PCdoB na Câmara, deputada Alice Portugal, este é “o pior orçamento da história”. “Sob a égide do contingenciamento dos gastos públicos, da PEC do Teto, vai impedir concurso para o seu filho, verba para a universidade, cercear o direito do investimento em inovação científica e tecnológica no Brasil, é isso que foi votado”, explicou.

O congelamento citado pela líder comunista significa menos serviços do Estado, sobretudo, para a população mais pobre. A concessão de reajuste a uma categoria do serviço público, por exemplo, segundo o teto aprovado na Emenda Constitucional 95 (PEC do Teto), terá como consequência o corte em outra despesa obrigatória. 

A Lei determina que os pisos constitucionais para a saúde e para a educação sejam acrescidos da taxa de crescimento populacional estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o próximo ano, que é de 0,73%. Para a saúde, o ganho será de cerca de R$ 855 milhões. Para a educação, de pouco menos de R$ 400 milhões.

Em termos financeiros, o impacto não é grande sobre a dotação final de cada área – na educação, por exemplo, o valor dispendido anualmente já é bem superior ao piso. A vantagem, nos dois casos, é impedir redução no valor per capita de gasto.

Esta é a primeira LDO aprovada pelo Congresso sob a vigência da Emenda Constitucional 95, que criou o Novo Regime Fiscal (NRF). O NRF estabeleceu um teto anual para as despesas primárias (obrigatórias e discricionárias) dos poderes, com vigência até 2036.

Além de disciplinar o próximo orçamento, a LDO define meta fiscal do País no próximo ano. O relatório final mantém a meta proposta pelo governo. O texto prevê, para 2018, deficit primário de R$ 132,5 bilhões para a União (governo federal e estatais), uma redução de quase R$ 10 bilhões em relação a 2017. Para este ano, o deficit mirado é de R$ 142 bilhões para a União.

O texto (PLN 1/17), que orienta a elaboração e execução do orçamento, irá agora para sanção presidencial.  

Com Agência Câmara









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com