Oposição entrega a Lira abaixo-assinado contra PEC 32

Brasília, quarta-feira, 9 de junho de 2021 - 17:18

POLÍTICA

Oposição entrega a Lira abaixo-assinado contra PEC 32


Por: Mariana Branco, Portal Vermelho

A prioridade dos partidos de oposição é suspender a tramitação da PEC 32, que implementa a reforma. Alice Portugal (PCdoB-BA) lembrou Fundeb e conclamou mobilização popular.

Rafael Barroso/ Liderança da Minoria

Deputados da Oposição entregaram ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), nesta quarta-feira (9), dia em que a Câmara dos Deputados instalou a comissão especial da Reforma Administrativa, um abaixo-assinado com 128 mil assinaturas contra o desmonte do serviço público. O documento tem o apoio de mais de 100 entidades de servidores federais, estaduais e municipais.

Segundo a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), a prioridade dos partidos de Oposição é suspender a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32, que implementa a Reforma Administrativa. Ela afirmou, entretanto, que os deputados vão lutar para que Arthur Lira cumpra promessa feita ao receber o abaixo-assinado de preservar direitos adquiridos dos servidores.

“O texto que o governo encaminhou atinge atuais servidores e retrai as novas gerações a ingressar no serviço público. O princípio da ‘voucherização’, defendido de forma aberta pelo ministro [da Economia] Paulo Guedes, está inserido fortemente no texto da PEC. Evidentemente que um texto como esse, nós não queremos apreciar. Mas, infelizmente, há interesse político no encaminhamento. O que nós conseguimos, o que o presidente [da Câmara] nos garantiu, é que não haverá um arranhão sequer no direito adquirido”, afirmou a deputada.

Alice Portugal disse também que ainda é possível barrar a reforma com mobilização popular. “Nosso apelo é que os servidores de todo o país se conscientizem sobre os riscos da dissolução do Estado nacional, porque é isso que está em voga. Acima de tudo, que possamos dizer à sociedade que não há privilégios nesse universo atingido [pela reforma] e que não há garantia dos direitos que estão postos hoje. Ninguém dava um real que nós aprovaríamos o Novo Fundeb e foram milhões de correspondências para os deputados que fizeram virar a matemática previsível desta Casa”, comentou.

O deputado Rogério Correia (PT-MG) disse que o objetivo da Oposição é reunir 1 milhão de assinaturas para o abaixo-assinado até o fim da tramitação da PEC 32. Ele também alertou para os perigos da Reforma Administrativa, que, segundo ele, promove a privatização do serviço público.

“O que esta proposta faz, a alma dela, é a privatização do serviço público. Haverá convênios de cooperação com entidades privadas, com dinheiro público, para prestação de serviços que hoje são só do Estado. É perverso não só com os servidores, mas com o povo brasileiro. É um debate muito profundo, que queremos fazer com toda a radicalidade necessária”, afirmou.

O líder da Minoria, deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), afirmou que a proposta de Reforma Administrativa vai na contramão do aprendizado trazido pela pandemia sobre o papel do Estado. “O mundo inteiro está mostrando, durante a crise da pandemia, que a gente precisa de um Estado que seja garantidor da vida, do emprego, da recuperação econômica. Neste momento, pensar em redução do Estado e em modelos de privatização é ir na contramão da história”, declarou.

Mais cedo, entidades representativas de servidores fizeram um ato contra a reforma administrativa em frente ao anexo II da Câmara dos Deputados.

Na ocasião, a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) reafirmou o compromisso da legenda na luta contra a proposta. Segundo ela, os ministros de Bolsonaro terão de explicar "as mentiras que estão apregoando dizendo que a PEC irá acabar com privilégios".

"É mentira. A PEC reforça os priviléfios do Bolsonaro e dos ministros da Esplanada, porque eles que recebiam o teto constitucional passaram a receber R$ 40, 50, 60 mil. É isso que recebem alguns. A PEC é uma mentira. Ela ataca os menores salários dos servidores públicos do país e não ataca os supersalários. Essa PEC 32 reduz o número de consursados e aumenta o número de indicados, por isso é a PEC da Rachadinha. Assim, Bolsonaro e sua tropa, vão poder continuar a fazer o que sempre fizeram. Sairemos vitoriosos, mas é preciso muita pressão", disse.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com