Operação da PF contra Salles indica que governo Bolsonaro nunca foi contra corrupção, avaliam deputados

Brasília, quarta-feira, 19 de maio de 2021 - 16:4      |      Atualizado em: 25 de maio de 2021 - 16:21

INVESTIGAÇÃO

Operação da PF contra Salles indica que governo Bolsonaro nunca foi contra corrupção, avaliam deputados


Por: Christiane Peres

Ricardo Salles e Ministério do Meio Ambiente são alvos de busca e apreensão da Polícia Federal. Ação foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal.

Divulgação Ministério do Meio Ambiente
Salles em operação de apreensão de madeira na Amazônia

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, é alvo de operação da Polícia Federal, nesta quarta-feira (19), que apura exportação ilegal de madeira. O chefe da Pasta chamou a ação investigativa de “exagerada”. A operação Akuanduba fez buscas no Ministério do Meio Ambiente e em endereços do próprio ministro nesta manhã.

A ação tem como objetivo, segundo a PF, apurar suspeitas de crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando que teriam sido praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

A ação foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e também suspende um despacho do Ibama, de 2020, que, diz a PF, permitia a exportação de produtos florestais sem a necessidade de emissão de autorizações.

O despacho teria sido elaborado a pedido de empresas com cargas apreendidas no exterior e resultou na regularização, segundo a PF, de aproximadamente oito mil cargas de madeira ilegal. O presidente do Ibama, Eduardo Bim, foi afastado do cargo por decisão de Moraes.

Para deputados do PCdoB, a operação demonstra que o combate à corrupção – bandeira de campanha de Jair Bolsonaro –, nunca fora, de fato, foco do atual governo.

“As denúncias de contratações irregularidades feitas na gestão Pazuello e a operação da PF que revela contrabando ilegal de madeira com envolvimento de Salles e do Ministério do Meio Ambiente são mais dois indícios de que esse governo nunca foi para combater a corrupção”, comentou a vice-líder do PCdoB na Câmara, deputada Professora Marcivânia.

A vice-líder da Minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), também chamou atenção para os indícios de corrupção que continuam a cercar o governo Bolsonaro. “Menos de 12 horas e dois indícios fortes de corrupção do governo Bolsonaro. O brasileiro dorme com a denúncia de desvios em obras do ex-ministro Pazuello e acorda com a notícia que o ministro do Meio Ambiente está sendo investigado pela PF por exportação ilegal de madeira. Que sejam investigados!”, destacou.

No pedido enviado ao STF, a Polícia Federal informou ainda existência de R$ 14,1 milhões em transações financeiras atípicas envolvendo um escritório de advocacia ligado ao titular do Meio Ambiente.

Ao autorizar a ação da PF, o ministro Alexandre de Moraes fez menção a um relatório de inteligência financeira do Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf) que identificou a movimentação suspeita e disse que a informação requer “maiores aprofundamentos”.

“A investigação nesse caso de exportação ilegal de madeira no Ministério do Meio Ambiente deve ser bem robusta. Além das buscas e apreensões, há quebra de sigilo de Ricardo Salles, suspensão do presidente do Ibama e anulação de um decreto da Pasta. Fecharam a porteira. Péssimo dia para os governistas. Vivem dizendo que não existe corrupção no governo do maior corrupto que já passou pela Presidência. Pois bem. Jornal Nacional revelou corrupção na gestão Pazuello e Ricardo Salles acordou com a PF na porta”, afirmou o vice-líder do PCdoB, deputado Orlando Silva (SP).

Segundo a PF, a apuração teve início em janeiro com base em informações enviadas por autoridades de outros países sobre possíveis desvios de conduta de servidores públicos durante o processo de exportação de madeira.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com