Deputadas celebram aprovação no Senado de R$ 3,8 bilhões para cultura

Brasília, quinta-feira, 25 de novembro de 2021 - 10:27      |      Atualizado em: 29 de novembro de 2021 - 10:58

CULTURA

Deputadas celebram aprovação no Senado de R$ 3,8 bilhões para cultura


Por: Christiane Peres, com informações da Agência Senado

Alice Portugal e Jandira Feghali querem garantir aprovação da medida emergencial para o setor cultural na Câmara.

Reprodução da Internet

Após intensa articulação, o Senado aprovou o projeto de lei complementar (PLP 73/2021) que libera R$ 3,8 bilhões para amenizar os efeitos negativos econômicos e sociais da pandemia de Covid-19 no setor cultural. O projeto, apresentado pelo líder do PT, senador Paulo Rocha (PA), e subscrito por outros senadores, foi aprovado na forma de um substitutivo do senador Eduardo Gomes (MDB-TO). Foram 68 votos favoráveis e cinco contrários. Agora, o projeto segue para análise da Câmara dos Deputados.

A aprovação da matéria foi celebrada pelas deputadas Alice Portugal (PCdoB-BA) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Presidente da Comissão de Cultura da Câmara, Alice afirmou que a apesar das tentativas do governo Bolsonaro de desmontar o setor cultural no país, “a cultura resiste” e o projeto, também conhecido como Lei Paulo Gustavo, em homenagem ao ator que morreu em maio deste ano vítima de Covid-19, “é um importante instrumento para diminuir os impactos sociais e econômicos da pandemia” no setor. 

A deputada Jandira Feghali também comemorou a vitória da cultura com a aprovação do socorro emergencial. Junto de Alice e da bancada da cultura na Câmara, a parlamentar continuará as articulações para aprovação do texto na Casa.

As parlamentares sempre destacaram que o setor cultural foi o primeiro a parar em decorrência da pandemia e um dos últimos a voltar a operar, motivo pelo qual a continuidade da ajuda, iniciada pela Lei Aldir Blanc, em 2020, é fundamental para artistas, criadores de conteúdo e empresas que compõem uma cadeia econômica equivalente a 2,67% do Produto Interno Bruto (PIB) e que são responsáveis por aproximadamente 5,8% do total de ocupados no país, ou seja, seis milhões de pessoas.

A proposta

O projeto determina que o montante de R$ 3,862 bilhões virá do atual superávit financeiro do Fundo Nacional de Cultura. A União terá de enviar esse dinheiro a estados, Distrito Federal e municípios para que seja aplicado “em ações emergenciais que visem combater e mitigar os efeitos da pandemia de Covid-19 sobre o setor cultural”. Caso o projeto vire lei, o dinheiro terá que ser liberado por meio de medida provisória a ser editada pela Presidência da República.

Desse total, R$ 2,797 bilhões serão destinados exclusivamente a ações voltadas ao setor audiovisual, no apoio a produções audiovisuais, salas de cinema, cineclubes, mostras, festivais e ações de capacitação. Isso porque, esse recurso se refere a fontes que foram alocadas originalmente no chamado Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), que é uma categoria de programação específica do Fundo Nacional de Cultura e seus recursos são oriundos basicamente da cobrança da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine), cobrada da própria cadeia econômica do audiovisual.

Uma das principais mudanças promovidas pelo substitutivo aprovado foi a retirada de dispositivos que alteravam a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei Rouanet para proibir e limitar o empenho ou a execução orçamentária dos recursos do Fundo Nacional de Cultura. A vedação aos contingenciamentos, segundo o relator, senador Eduardo Gomes, foge ao objeto principal da matéria, que é a concessão de ajuda emergencial ao setor cultural em 2021 e 2022.

O texto original exclui da meta de resultado primário de 2021 as transferências federais aos entes subnacionais para o enfrentamento da pandemia e suas consequências sanitárias no setor cultural. No substitutivo, Eduardo Gomes estendeu essa regra para qualquer exercício financeiro (qualquer ano) para a mitigação dos efeitos sociais e econômicos no setor cultural decorrentes de calamidades públicas ou pandemias, desde que a transferência exceda os valores iniciais do orçamento aprovado.

Regras

O substitutivo proíbe estados, o Distrito Federal e municípios de efetuar repasses dos recursos para beneficiários de ações emergenciais previstas no auxílio de 2020 (Lei Aldir Blanc). A intenção, segundo o texto, é evitar duplicidade de ajuda financeira nos mesmos meses de competência.

O substitutivo incluiu várias regras para a prestação de contas dos recursos recebidos. Essas informações podem ser fornecidas de três maneiras: in loco (quando o apoio recebido tiver valor inferior a R$ 200 mil); em relatório de execução do objeto; ou em relatório de execução financeira. A intenção, segundo o relator, é criar um padrão formal para a prestação de contas. Cada modalidade de prestação tem regras diferentes, detalhadas no texto, e a reprovação das contas pode fazer com que o beneficiário tenha que devolver recursos ao erário ou apresentar plano de ações compensatórias.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com