Sem coragem de mexer na política de preços da Petrobras, Bolsonaro troca ministro

Brasília, quarta-feira, 11 de maio de 2022 - 10:53      |      Atualizado em: 18 de maio de 2022 - 17:0

ECONOMIA

Sem coragem de mexer na política de preços da Petrobras, Bolsonaro troca ministro


Por: Christiane Peres

Ministro de Minas e Energias, Bento Albuquerque, cai. Em seu lugar, Bolsonaro nomeia Adolfo Sachsida. Para deputados, Bolsonaro mantém seu “modus operandi” e se esquiva da responsabilidade sobre aumento dos preços dos combustíveis.

Alan Santos/PR
Bento Albuquerque e Adolfo Sachsida

Dois dias após o anúncio da Petrobras do novo reajuste no preço do diesel, Jair Bolsonaro exonerou o então ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque. Em seu lugar, assume o doutor em Economia Adolfo Sachsida. A troca foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (11).

Na última segunda-feira (9), a estatal informou que o preço médio do combustível teria uma alta de 8,87% nas refinarias. Com o aumento, o preço médio do combustível nas refinarias passou de R$ 4,51 para R$ 4,91 por litro — o repasse aos consumidores depende de políticas comerciais de distribuidoras e postos de combustíveis.

Para a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), com a exoneração de Albuquerque Bolsonaro foge, mais uma vez, do foco do problema e tentar fazer crer que a responsabilidade dos preços elevados é apenas do ex-ministro.

“Bolsonaro quer que as pessoas acreditem que o aumento do diesel é responsabilidade única do ministro das Minas e Energia. Demitiu para que os caminhoneiros pensem que ele não tem nada a ver com esta política equivocada de preços da Petrobras. Bolsonaro sempre culpa os outros”, condenou a parlamentar.

Adotada por Temer em 2016, após o golpe que tirou a presidente Dilma Rousseff da Presidência da República, a política de preços da Petrobras é a vilã dos reiterados aumentos no preço dos combustíveis e do gás de cozinha.

O PCdoB é uma das legendas críticas à adoção da dolarização e da paridade internacional adotadas por Temer e mantida por Bolsonaro. O modelo calcula quanto custaria a venda, no mercado brasileiro, de combustível comprado nos Estados Unidos. Uma conta que só agrada o mercado financeiro e promove a alta do preço dos combustíveis, além do gás de cozinha, sacrificando ainda mais a renda do brasileiro.

“Bolsonaro enganador! Não tem coragem de mudar a política de preços da Petrobras, então terceiriza a culpa. O presidente é ele, a responsabilidade pelo preço dos combustíveis é dele. Sachsida, novo ministro, é um deserto de ideias. De onde menos se espera, daí não sai nada mesmo”, criticou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

Não é a primeira vez que Bolsonaro adota esse recurso. Esta é a terceira vez que há demissão no governo após aumento nos combustíveis. A última foi em março deste ano, quando Bolsonaro exonerou o então presidente da Petrobras Joaquim Silva e Luna como resposta às altas nos preços em vez de enfrentar a mudança na política de preços da estatal.

Em ano eleitoral, o novo reajuste deflagrou no governo uma nova onda de pressões para o lançamento de medidas para conter o preço dos combustíveis.

Antes de ser ministro do MME, Sachsida era um dos principais auxiliares do ministro da Economia, Paulo Guedes, e participa das discussões econômicas desde a equipe de transição. Defensor do ajuste fiscal, ele já foi secretário de Política Econômica e, mais recentemente, ocupava a chefia da Assessoria Especial de Estudos Econômicos.

O novo ministro usou as redes sociais para agradecer Bolsonaro "pela confiança", Paulo Guedes "pelo apoio" e Albuquerque "pelo trabalho em prol do país".









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com