Orlando pede convocação de Queiroga por nota contra vacinação de jovens

Brasília, sexta-feira, 17 de setembro de 2021 - 17:31

SAÚDE

Orlando pede convocação de Queiroga por nota contra vacinação de jovens


Por: Walter Félix

Ministro da Saúde decide suspender em todo o país recomendação para imunizar população entre 12 e 17 anos sem comorbidades. Deputados do PCdoB criticam medida.

Evaristo Sá - AFP

O deputado Orlando Silva (SP), vice-líder do PCdoB, protocolou nesta sexta-feira (17), um requerimento para que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, seja convocado a depor na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, para que preste esclarecimentos sobre a nota técnica que paralisa a vacinação de adolescentes.

Em um comunicado oficial que foi divulgado na noite da quarta (15), mesmo dia que disse haver “excesso de vacina no Brasil”, Queiroga ignorou a necessidade de ampliar a imunização contra a covid nesta faixa etária, contrariando recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Com o beneplácito do ministro, o governo Bolsonaro enviou uma “nota técnica” às secretarias de Saúde em que afirma ter “revisado” a recomendação e justifica que a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela Covid-19 demonstra evolução “benigna”, apresentando-se assintomáticos. A nota foi publicada no sistema do ministério menos de 24 horas após o início formal da campanha para esse público.

A suspensão da vacinação de adolescentes não passou sequer pelas equipes de especialistas do Programa Nacional de Imunização e da Câmara Técnica do Ministério da Saúde. Os conselhos de secretários de saúde estaduais e municipais também não foram consultados.

Para Orlando Silva, a nota técnica é "absurda" e as condições em que foi adotada precisam ser esclarecidas. "A medida flerta com a morte e vai contra as recomendações da OMS e da Anvisa. INACEITÁVEL!", escreveu no Twitter.

Os motivos para suspender a imunização também não estão claros. Queiroga admitiu na quinta-feira (16) ter conversado com o presidente Jair Bolsonaro para decidir sobre a mudança na recomendação de vacinar adolescentes contra a Covid-19.

Negacionismo

Outros deputados da Bancada comunista usaram as redes sociais para criticar a decisão do governo. A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) disse que o ministro da Saúde "abandona a ciência e adere à cartilha bolsonarista". "Em vez de trabalhar para salvar vidas presta um enorme desserviço e coloca em cheque nosso exitoso Plano Nacional de Imunização. Vacinas são seguras. Vacinas salvam vidas. Vacina para todos!", cobrou.

"No Brasil, da era Bolsonaro é assim: o ministro da saúde recomenda que não se vacine os adolescentes, enquanto a OMS recomenda o contrário", disse a deputada Professora Marcivânia (PCdoB-AP) em mensagem no Twitter.

Já o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) foi às redes para criticar a declaração de Marcelo Queiroga sobre o suposto excesso de vacinas no Brasil. "Dar esse tipo de declaração enquanto estados relatam falta de imunizantes para completar o calendário vacinal da população mostra a falta de entendimento e gestão desse governo", pontuou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com