Deputados condenam MP que acaba com caráter inclusivo do Prouni

Brasília, quarta-feira, 8 de dezembro de 2021 - 13:16

EDUCAÇÃO

Deputados condenam MP que acaba com caráter inclusivo do Prouni


Por: Walter Félix

Além de liberar acesso a estudantes do setor privado, Bolsonaro ataca cotas destinadas a negros, povos indígenas e pessoas com deficiência.

Uanderson Fernandes/Ascom – Seeduc-RJ

Com uma Medida Provisória 1075/21, publicada nesta terça-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro liberou o acesso de estudantes de colégios particulares ao Programa Universidade para Todos (Prouni), alterando o caráter inclusivo do projeto.

O programa, criado em 2004, concede bolsas de estudo de 50% a 100% em instituições de ensino superior particulares a alunos que concluíram o ensino médio na rede pública ou como bolsistas integrais (ou seja, se não pagaram mensalidade) nas escolas do setor privado.

Agora, alunos que fizeram o “ensino médio completo em instituição privada, na condição de bolsista parcial da respectiva instituição, ou sem a condição de bolsista” também terão acesso.

Bolsonaro modificou ainda os critérios para distribuição de cotas para negros, povos indígenas e pessoas com deficiência. Com a medida, o percentual de pretos, pardos ou indígenas e pessoas com deficiência será considerado de forma isolada, e não mais em conjunto.

Repercussão

Ministro da Educação no governo Lula, quando o Prouni foi criado, Fernando Haddad disse que as mudanças acabam com o espírito do programa.

“Bolsonaro sabe que vai perder e quer arrasar o país antes de deixar o Planalto. Típico do fascismo!”, escreveu no Twitter.

Parlamentares do PCdoB na Câmara dos Deputados também usaram as redes sociais para protestar contra a medida. Para o vice-líder da Bancada, Orlando Silva (SP), a edição da MP “é uma clara tentativa de afastar quem mais precisa do acesso ao ensino superior privado no Brasil”.

Já a deputada Jandira Feghali (OCdoB-RJ), vice-líder da Minoria, destacou que o projeto de Bolsonaro e Guedes “é deixar os pobres cada vez mais pobres”.

“É um crime destruir o Programa Universidade para Todos (PROUNI). No fundo, eles têm ódio do filho do porteiro ter virado doutor”, disse.

O deputado Rubens Jr (PCdoB-MA) observou que ao assegurar vagas a estudantes da rede pública no ensino superior, o Prouni colocou milhões de jovens pobres da periferia na faculdade. “O Brasil é desigual, portanto esta inclusão é justa e necessária”, frisou.

“Quando Bolsonaro libera o Prouni para alunos de escolas privadas, ele acentua a desigualdade de oportunidades. A flexibilização do Prouni é um erro proposital que faz parte do projeto de desmonte da Educação no país”, denunciou o parlamentar.

O deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) afirmou que o slogan usado por Bolsonaro – “Brasil acima de tudo” – na verdade coloca a educação abaixo de tudo.

“Isso é inadmissível. Sigamos pela defesa do Prouni, pois não aceitaremos outra tentativa do governo Bolsonaro em destruir o ensino superior no país. Educação, sim!”, postou nas redes.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com