Parlamentares lançam movimento contra privatização da Eletrobras

Brasília, terça-feira, 12 de setembro de 2017 - 19:47      |      Atualizado em: 19 de setembro de 2017 - 18:24

PRIVATIZAÇÕES

Parlamentares lançam movimento contra privatização da Eletrobras


Por: Da Redação*

Comunistas defendem articulação ampla contra agenda de privatizações.

Richard Silva/PCdoB na Câmara

Um ato público na Câmara dos Deputados marcou o lançamento, nesta terça-feira (12), da Rede Parlamentar em Defesa da Soberania Energética e Nacional. A campanha quer evitar a privatização da Eletrobras e de outras empresas de geração e distribuição de energia. A “reforma” do setor foi anunciada pelo governo federal em julho e ainda vai ser encaminhada ao Congresso.

Deputados federais e senadores querem atuar em conjunto com deputados estaduais e vereadores para evitar as mudanças. “Precisamos levar a defesa do Brasil para todos os legislativos deste país. Energia é insumo fundamental para o bem-estar da população e para os desenvolvimentos industrial e agrícola. Nenhuma nação desenvolvida coloca à venda sua soberania energética, como este governo tem feito”, declarou a coordenadora da Frente Parlamentar em Defesa do Setor Elétrico Nacional, deputada Erika Kokay (PT-DF).

Durante o evento, a líder do PCdoB, deputada Alice Portugal (BA), afirmou que o Brasil vive um retrocesso histórico e reforçou a necessidade de uma frente ampla para lidar com a pauta defendida pelo governo Temer.

“Privatizar significa precarizar. Vamos verificar isso caso se concretize a venda da Eletrobras e da Chesf, por exemplo. Vivemos um processo ultraliberal e isso precisa ser enfrentado nas ruas, nas greves. Se não houver reação, vai ser difícil que a gente garanta mudanças no grito. Sem retaguarda não há efetiva influência. Precisamos criar uma ampla frente de resistência, pois precisamos ganhar segmentos que não estão engajados, necessariamente, na luta contra o golpe. Eles voltaram para tentar terminar o trabalho sujo que não conseguiram no governo de FHC e arrebentar as estatais que sobraram. Não podemos permitir que isso aconteça”, disse a parlamentar comunista.

Para o deputado Chico Lopes (PCdoB-CE), passou da hora de vir uma resposta da população à agenda do governo Temer. “O que está acontecendo com o povo brasileiro? Estamos sem estímulo, mas temos que acabar com essa moleza. Não demos autorização para este governo vender o que é nosso. Temos que ter outra atitude, pois eles estão achando uma maravilha. Se queremos mudar o jogo, temos que mudar nossa tática”, disse.

Também houve críticas entre parlamentares da base do governo. O deputado Júlio César (PSD-PI) questionou, por exemplo, a inclusão de companhias regionais, como a Chesf, do Rio São Francisco, na lista de empresas a serem privatizadas. “Como coordenador da bancada do Nordeste, sou obrigado a me posicionar a favor da minha região. Precisamos de mais investimento, de mais eficiência do governo”, comentou.

Cemig

A deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) pediu apoio, durante o ato, à luta contra a privatização de quatro hidrelétricas da Cemig, no Triângulo Mineiro. A parlamentar lembrou que no próximo dia 27 deve acontecer o leilão das quatro hidrelétricas. 

Uma das estratégias dos parlamentares e representantes de movimentos sociais e populares contra o leilão tem sido impetrar ações judiciais questionando o leilão. O principal argumento é que o contrato de concessão das usinas, feito em 1997, prevê a renovação automática por 20 anos. Ou seja, o governo federal estaria avançando em questão de entendimento pacificado no âmbito judicial. Outras formas de pressão são atos e denúncias públicas.

*Com informações da Agência Câmara.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com