Após pressão, Bolsonaro revoga decreto sobre privatização de unidades básicas de saúde

Brasília, quarta-feira, 28 de outubro de 2020 - 19:45      |      Atualizado em: 4 de novembro de 2020 - 16:45

SAÚDE

Após pressão, Bolsonaro revoga decreto sobre privatização de unidades básicas de saúde


Por: Christiane Peres

Privatização da porta de entrada do SUS gerou polêmica e articulação no Congresso para derrubada do decreto. Assunto também esteve entre os mais comentados do Twitter ao longo desta quarta-feira.

Isac Nóbrega/PR

Após intensa pressão nas redes sociais e no meio político, o presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e afirmou, no final da tarde desta quarta-feira (28), que já havia revogado o decreto 10.530, que permitia a privatização das Unidades Básicas de Saúde (UBSs). A revogação foi publicada no início da noite em edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU).

Em sua postagem no Twitter, Bolsonaro afirmou que era “falsa” a declaração sobre a privatização do Sistema Único de Saúde (SUS) e que o decreto visava apenas o término de obras inacabadas. No entanto, alertou que o teor do documento pode ser reeditado em momento oportuno. "Temos atualmente mais de 4.000 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 168 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) inacabadas. Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal. O espírito do Decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União”, afirmou Bolsonaro em sua conta.

O recuo foi comemorado pela bancada do PCdoB. Mais cedo, os parlamentares já haviam protocolado um Projeto de Decreto Legislativo (PDL 457/2020) para revogar a medida.

“Sob pressão popular Bolsonaro desistiu do decreto de privatização do SUS. Mas ameaça: "Em havendo entendimento futuro dos benefícios propostos pelo Decreto o mesmo poderá ser reeditado". Leia-se: quando tiver ambiente propício para passar uma boiada contra o SUS. Não aceitaremos a privatização das Unidades Básicas de Saúde! É o SUS, patrimônio dos brasileiros, que garante saúde gratuita à população. Em tempos difíceis de pandemia, Bolsonaro queria fazer negócios com a saúde do povo”, afirmou a líder da legenda, deputada Perpétua Almeida (AC).

A deputada Alice Portugal (BA) celebrou a revogação. “Derrotamos mais um ataque cruel deste governo genocida à saúde pública. A luta de toda a sociedade valeu a pena!”, destacou.

A pressão popular foi enaltecida pelo deputado Orlando Silva (SP). Segundo ele, Bolsonaro “não aguentou a pressão”. “Bolsonaro é metido a valente, mas é de uma frouxidão inacreditável. O cara é sem rumo, não tem nada na cabeça. Não aguentou meio expediente de pressão nas redes sociais que recuou da criminosa proposta de privatizar o SUS. #DefendaoSUS”, tuitou o parlamentar.

O vice-líder da bancada, Márcio Jerry (MA), reforçou a importância da pressão. “Valeu a pressão! Bolsonaro recuou. Defender o SUS é vital para a saúde de milhões de cidadãos. O que o Brasil precisa é de fortalecimento do Sistema, não o contrário”, pontuou.

A deputada Jandira Feghali (RJ) também usou suas redes para anunciar e celebrar a vitória da pressão. Mais cedo, a parlamentar lembrou que o decreto de Bolsonaro e Guedes violava a Constituição. “A Constituição é clara e coloca o SUS como um sistema único, universal, que tem que garantir a equidade e a integralidade. Bolsonaro queria entregar ao mercado a porta de entrada do SUS. Absurdo! Seguiremos lutando em defesa do Sistema Único de Saúde”, disse. 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com