Após associar vacina contra Covid à Aids, Bolsonaro tem live bloqueada no Facebook e Instagram

Brasília, segunda-feira, 25 de outubro de 2021 - 10:11      |      Atualizado em: 3 de novembro de 2021 - 10:0

POLÍTICA

Após associar vacina contra Covid à Aids, Bolsonaro tem live bloqueada no Facebook e Instagram


Por: Christiane Peres

Deputados afirmam que país está cansado dos absurdos posicionamentos do presidente da República e que desinformação mata.

Reprodução da Internet

Pela primeira vez, na noite deste domingo (24), Facebook e Instagram derrubaram a live semanal de Jair Bolsonaro transmitida na última quinta-feira (21). De acordo com porta-voz da companhia, o motivo para a exclusão foram as políticas da empresa relacionadas à vacina da Covid-19.

Na transmissão ao vivo, Bolsonaro leu uma suposta notícia que alertava que "vacinados [contra a Covid] estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida [Aids]".

Médicos, no entanto, afirmam que a associação entre o imunizante contra o coronavírus e a transmissão do HIV, o vírus da Aids, é falsa, inexistente e absurda.

Deputados do PCdoB repercutiram o bloqueio da transmissão. Relator do PL das Fake News, o deputado Orlando Silva (SP) afirmou que retirada do conteúdo do ar é uma medida importante “e que demonstra quão absurda e atentatória à saúde pública foi a fake news do presidente”. Para o parlamentar, no entanto, o YouTube continua sendo conivente com a disseminação de desinformação. “Na contramão, o YouTube nada fez. Coniventes com a mentira!”, disse.

O deputado Daniel Almeida (BA) lembra que “fake news, ignorância e preconceito não configuram como liberdade de expressão”. “A decisão do Facebook em derrubar a live grotesca em que Bolsonaro associa Aids à vacina da Covid foi assertiva. Estamos fartos de ver tantos posicionamentos absurdos. Impeachment, já!”, cobrou em suas redes.

A vice-líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (RJ), lembrou que esta foi a primeira vez que a empresa retira do ar uma live de Bolsonaro e comemorou a decisão. “O genocida ataca novamente! Bolsonaro voltou a espalhar mentiras sobre saúde ao associar vacinas contra Covid com casos de Aids. É crime. Desinformação mata”, destacou.

Até hoje, o Facebook havia derrubado um post de Bolsonaro relacionado à pandemia: um vídeo de março de 2020 em que ele citava o uso de cloroquina para o tratamento da doença e defendia o fim do isolamento social.

Apesar das desinformações constantes, a empresa não considerava as demais como “taxativas”. Segundo o informe do Facebook, as políticas da empresa “não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com