Senado extingue LSN e aprova Lei de Defesa do Estado Democrático

Brasília, quarta-feira, 11 de agosto de 2021 - 14:47

POLÍTICA

Senado extingue LSN e aprova Lei de Defesa do Estado Democrático


Por: Da Redação, com informações da Agência Senado

Líder do PCdoB celebra vitória sobre “entulho da ditadura” e afirma que Congresso cumpriu seu papel em defesa da democracia diante dos ataques feitos pelo presidente da República.

O Senado deu importante passo em defesa da democracia esta semana ao aprovar projeto (PL 2108/21) que extingue a Lei de Segurança Nacional (LSN) e cria a Lei de Defesa do Estado Democrático. O texto foi aprovado no mesmo dia em que a Câmara derrotou o voto impresso – pauta defendida pela ala bolsonarista e que tem sido usada como chantagem e cortina de fumaça pelo governo Bolsonaro diante das crises que têm emergido, sobretudo, na condução da pandemia.

Para o líder do PCdoB na Câmara, deputado Renildo Calheiros (PE), “o Congresso Nacional cumpriu seu papel e teve decisões importantes em defesa da democracia” esta semana.

“Além de derrotarmos o voto impresso, o Senado aprovou projeto de lei que extinguiu a Lei de Segurança Nacional (LSN), entulho da ditadura, e tipificou os crimes contra a democracia. É uma grande vitória, tendo em vista as mentiras e ataques disseminados pelo governo Bolsonaro. Com a nova lei, passam a ser considerados crimes o golpe de Estado, a ameaça às eleições e a divulgação de notícias falsas em campanha eleitoral”, destacou.

As mudanças, no entanto, ainda dependem de sanção de Jair Bolsonaro.

Crimes

Entre os novos crimes tipificados está o de tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito, “impedindo ou restringindo o exercício dos Poderes constitucionais”. Nesse caso, a pena é de prisão de 4 a 8 anos, além da pena correspondente à violência empregada. Já o crime de golpe de estado propriamente dito — “tentar depor, por meio de violência ou grave ameaça, o governo legitimamente constituído” — gera prisão de 4 a 12 anos, além da pena correspondente à violência.

Negociar com governo ou grupo estrangeiro, ou seus agentes, com o fim de provocar atos típicos de guerra ou invasão gerará prisão de 3 a 8 anos — e pena aumentada da metade até o dobro se for declarada guerra em consequência dessa ação.

Praticar violência ou grave ameaça com a finalidade de desmembrar parte do território nacional para constituir país independente terá pena de prisão de 2 a 6 anos, além da pena correspondente à violência.

O texto prevê, ainda, crimes contra o processo eleitoral (interrupção do processo, comunicação enganosa em massa, violência política e ação penal privada subsidiária) e de sabotagem contra o funcionamento de “serviços essenciais” — os meios de comunicação ao público, estabelecimentos, instalações ou serviços destinados à defesa nacional.

Também são previstos crimes contra a cidadania e contra o direito de manifestação. O crime de impedir, mediante violência ou grave ameaça, o livre e pacífico exercício de manifestação de partidos políticos, de movimentos sociais, de sindicatos, de órgãos de classe ou de demais grupos políticos, associativos, étnicos, raciais, culturais ou religiosos terá pena de prisão de 1 a 4 anos. Se houver lesão corporal grave, a prisão será de 2 a 8 anos. Se causar morte, a prisão será de 4 a 12 anos.

No capítulo das disposições comuns, o PL deixa claro que não são crimes a manifestação crítica aos Poderes constitucionais, a atividade jornalística e as reivindicações de direitos e garantias constitucionais por meio de passeatas, de reuniões, de greves ou de quaisquer manifestações políticas com propósitos sociais.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com