Reestruturação dos bancos públicos será discutida na Câmara

Brasília, quarta-feira, 11 de outubro de 2017 - 16:24

ECONOMIA

Reestruturação dos bancos públicos será discutida na Câmara


Por: Da Redação

O deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) entrou com requerimento para seja realizada comissão geral sobre o tema no início de dezembro.

Richard Silva/PCdoB na Câmara
Daniel Almeida quer realizar comissão geral sobre bancos públicos na Câmara

Nesta terça-feira (10), o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) solicitou ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que a Casa promova debate sobre os impactos da reestruturação dos bancos públicos na economia brasileira.

Desde que o presidente ilegítimo Michel Temer tomou o poder no Brasil, foram fechadas agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal em todo o país. Até o primeiro trimestre de 2017, só o BB totalizou o fechamento de 551 unidades, além do enxugamento de mais de 13 mil postos de trabalho, contando as vagas de estagiários, conforme relatório da instituição. Já a Caixa anunciou que encerrará as atividades em 131 agências neste ano, além de planejar o corte de 10 mil servidores por meio do Programa de Demissão Voluntária (PDV). "Centenas de agências do BB e da Caixa foram desativadas no Nordeste, em especial, na Bahia em municípios carentes onde havia uma única unidade de atendimento. Defender os bancos públicos é defender o Brasil e o nosso desenvolvimento”, denuncia Daniel Almeida.

Para o parlamentar, a questão é central por envolver a defesa da soberania nacional. “A reestruturação vai retirar dos bancos públicos o seu papel de estimular a economia. Essas instituições criam condições de o país retomar o caminho do crescimento econômico e do desenvolvimento com distribuição de renda”, afirma o parlamentar.

Diante desse cenário negativo, os bancários têm feito protestos para denunciar o desmonte das instituições fundamentais para o desenvolvimento nacional. “Em qualquer lugar no mundo, os bancos públicos dão suporte para políticas públicas e sociais estratégicas. No Brasil, não há financiamento no agronegócio e na agricultura familiar sem a participação do Banco do Brasil. Não existe investimento em saneamento e habitação sem a Caixa Econômica Federal. O lucro maior é o social e estratégico”, avalia Daniel Almeida.

O deputado lembra ainda que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também está sendo desmontado pelo governo Temer. Por meio da Medida Provisória 777/17, criou-se uma nova taxa de juros para o banco. A medida cria a Taxa de Longo Prazo (TLP), substituindo a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) nos financiamentos do BNDES a partir de 1º de janeiro de 2018. Ao aproximar a taxa aos valores do mercado privado, se encarece o financiamento de longo prazo de indústrias, máquinas, equipamentos, pesquisa e infraestrutura para cooperativas e quem quer que utilize créditos da instituição. Fica alterado, substancialmente, o papel do BNDES, levando à perda de sua relevância estratégica e podendo até ocasionar no seu fim. “Temer está promovendo um processo de desnacionalização da economia do país. Está havendo um desmonte em todas as áreas", diz Daniel Almeida.

 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com